O sonho de ser Juanita

Juanita é uma mulher que sente-se sufocada entre filhos que exploram, emprego que aprisiona e uma vida medíocre, sem muitas perspectivas. Ela sente, no fundo que existe algo mais para ela em algum lugar. Tomada por um ímpeto de dar inveja a qualquer um que é massacrado pelo sistema, ela parte para uma jornada a fim de se conectar com ela mesma e com uma outra realidade mais digna para si. Não sabe para onde vai, mas vai. Não tem muitos recursos mas, mesmo assim, realiza uma viagem para longe e, como é de se esperar de um filme como este, romântico, os caminhos vão se abrindo e aparecem pessoas e situações que, de fato, a transformam. Com o seu jeito autêntico de ser, se desconstrói, entra em contato com a natureza, conhece rituais ancestrais e encontra o respeito e o amor, porém nada disso se compara ao encontro com ela mesma.

O filme é quase uma fábula pois histórias assim não acontecem, muito menos para uma mulher negra que resolve largar o gheto e aventurar-se sozinha pelas estradas do interior de um país gigante como os Estados Unidos (ou como o Brasil). Porém, é como um sonho, a possibilidade de conseguir colocar-se nesta pele, de quem tem a coragem de libertar-se. Quem nunca quis trocar de vida? Imaginar outras realidades? Desbravar desconhecidos e sair vitoriosa. Porque o papel de uma negra tem que ser sempre sofrido?
O enredo também coloca em evidência essa dicotomia cidade grande x cidade do interior, por um lado a falta de recursos, a violência e de outro a abundância, o calor humano e as forças naturais que reconectam as pessoas com elos originários. Em um ritual indígena Juanita se purifica, no encontro com novos amigos se fortalece para continuar a jornada sozinha por mais um pouco.
Juanita é um filme sobre rompimentos e reencontros, é aquela realidade que vemos longe nós hoje em dia, mas que nos alimenta de fantasias para seguir um pouco mais adiante.

NOSS AVALIAÇÃO:

Gênero: ficção/romance
Temática Social: universo feminino
Público-alvo: mulheres

Roteiro: 
(simples e de fácil leitura com momentos cômicos na medida)
Dramaturgia: 
(filme bem ambientado apesar de romantizar bastante o conteúdo que aborda.)
Aprofundamento da Questão Social: 
(toca muitas questões sociais mas o foco central é a autonomia da personagem pricipal que é uma mulher. Ela que rompe com o papel que lhe foi estabelecido para escrever sua própria história.)

 

Por Têmis Nicolaidis

 

– Filmografia Social é um conteúdo apoiado pela Graturck – perícia social, consultoria e cursos (www.graturck.com.br) e é publicado simultaneamente no site/redes do Coletivo Catarse e no site/redes da Graturck todas as quartas-feiras

Deixe uma resposta